Advertising

E se a moda pega, por onde vou?



Não é de hoje que o cidadão recifense reclama, e com toda razão, da mobilidade na cidade. São congestionamentos por diversos motivos, quer seja por motoristas "espertinhos" que decidem cruzar em lugares proibidos ou cometendo outros absurdos; quer seja por obras eternas nas vias, ou por buracos no asfalto, devido ao material utilizado para "remendar" ser efervescente; ou ainda, pela péssima sincronia dos semáforos, ou pela utilização, por  alguns estabelecimentos comerciais, das calçadas e, às vezes até da rua, para expandirem seus negócios. 

Numa cidade, onde nunca esteve tão na moda falar em mobilidade, cada vez que se inventa uma novidade (para tapar o sol com a peneira), gastam-se horrores, e o resultado é, mais caos. Um exemplo seria, quem planejou as localizações das estações da Bike PE e vias para bicicleta?

Que é um projeto top, é! Mas não se pode implantar algo em locais que pioraram a mobilidade dos carros, estreitando ruas, retirando vagas de estacionamento. 

No mínimo quem planejou, deve andar de helicóptero,  por que, se utilizasse carro para se locomover, não colocaria as estações em determinados lugares. Ficamos também até hoje, na expectativa das mudanças e, consequentemente, melhorias, propagadas exaustivamente pela mídia política, tendo em vista a realização da Copa do Mundo de 2014! E as mesmas, não tendo saído dos papeis.



E para completar o caos, eis que um comerciante da Rua Regueira Costa, no bairro do Rosarinho, Zona Norte do Recife, com consentimento da Prefeitura do Recife (Olha aí, mais uma novidade de projetos furados, de pessoas que não têm noção de mobilidade e pontos turísticos), resolve expandir sua hamburgueria, utilizando parte da faixa de estacionamento da via. "Já tiveram vários estabelecimentos no mesmo local e não fizeram esse tipo de uso. Todas as pessoas quando alugam qualquer que seja o local, sabem exatamente, o espaço disponível. Aluga se quiser e se achar que dá para seu negócio. Eu tomei um susto quando cheguei na rua e vi uns bancos e um jardim, na  VIA PÚBLICA. Fiquei imaginando, se a moda pegar!!! Por que o direito é para todos. Que critério foi esse utilizado para permitir?", denuncia a internauta Ju Mendes, moradora do bairro.

Foto 1: Ju Mendes/Cortesia
Foto 2: Instagram Yakee Burguer

Nenhum comentário