Notícias em Destaque

Lombardiando: A Ópera (parte 01)




Texto dedicado ao mestre Jairo Lima

Durante muito tempo  estereotipada como um espetáculo de cantoras velhas e gordas, em grande parte graças as caricaturas dos desenhos animados,  a ópera é um gênero musical teatral que existe há mais de 400 anos e pode ser considerada uma das mais completas formas de expressão artística (mescla de teatro, canto e, as vezes, dança) e vem sofrendo influências das mais diversas épocas e países até os dias de hoje com apresentações e visões das mais variadas.

A ópera nasceu como fruto do renascimento , em Florença, com a idéia de contar histórias cantadas. A primeira obra que mais se aproxima da idéia do que hoje se conhece como ópera é ”Dafne” do compositor italiano Jacopo Peri. Infelizmente boa parte da partitura perdeu se mas sua segunda obra “Eurídice” encontra se conservada integralmente.


A primeira ópera, da forma como a conhecemos hoje, é “Orfeu”de Cláudio Monteverdi, estreada em 1607, em Mântua. A ideia se espalhou rapidamente em 1637, Veneza teve inaugurado seu primeiro teatro de ópera. Na França, foi introduzida por Lully, o compositor oficial do Rei Luis XIV e, na Inglaterra, foi levada por Purcell, através de sua obra “Dido e Enéas”, embora o gênero tenha sido popularizado no País , mais tarde, por Handel, que compôs 12 óperas .

O Iluminismo, em meados de 1760,  influenciou a transição do período Barroco para o clássico, e na ópera, foi sentido especialmente por Christopher Von Gluck, que junto com outros compositores iniciaram uma corrente para a reforma da música. Gluck compôs mais mais de 40 obras, sendo a mais conhecida o seu “Orfeu e Eurídice”cujo o título remete as primeiras obras.

Nenhum comentário